Inscreve-te e tem vantagens!

Bad Education(2019)

Há um mês | Biografia, Comédia, Crime, | 1h48min

De Cory Finley, com Hugh Jackman, Ray Romano, Welker White

Baseado num artigo da New York Magazine, escrito por Robert Kolker, Bad Education é um filme realizado por Cory Finley e com o argumento de Mike Makowsky.

O filme retrata (miseravelmente) o que se diz ser o maior escândalo de desfalque no ensino público americano, no qual protagonizaram Frank Tassone (Hugh Jackman) e Pamela Gluckin (Alisson Janney), responsáveis pelo roubo de 11 milhões de dólares à escola de Roslyn, em 2002.  O jornal escolar de Roslyn denunciou em primeira mão o caso, sendo depois falado noutros jornais relevantes como o The New York Times.

Infelizmente, o jovem realizador Cory Finley não conseguiu trazer para a tela um filme chamativo. Muito pelo contrário, na minha opinião, a longa metragem começa com vinte minutos demasiado confusões e insignificantes, para depois subir a fasquia com uma cena de amor gay com um dos protagonistas, e depois voltar ao seu ritmo maçador. Em primeiro lugar o filme devia ter sido mais explícito desde o início, e ter cenas mais fortes, intensas, mas, lamentavelmente, nem as cenas nem as performances conseguiram chamar a atenção.

Nem a atriz Alisson Janney, que estrelou no filme I, Tonya, em 2017, foi capaz de dar brio a este filme.

Só o trabalho de câmara e a equipa de produção e edição deram conta do recado; foram energéticas e apelativas e arranjaram forma de, no mínimo, dar ao filme uma maior gesticulação e movimento.

A banda sonora neste caso esteve completamente «fora de cena» e aplicada a este filme só o tornou mais absurdo e desinteressante, sobretudo se, se é de comédia, eu não sei onde esta se manifestou.

Sempre ouvi dizer que, com um bocadinho de jeito, podemos tornar qualquer história, desde a mais simples ou enfadonha, uma grande história (especialmente, vinda de casos reais, como este, com casos que devem ser falados). No entanto, com este filme, esta tornou-se uma história fútil, com personagens ridículas.

É um trabalho descartável. Daqui pouco se aproveita.


Diana Neves
Outros críticos:
Nenhum autor votou nesta crítica.