Inscreve-te e tem vantagens!

Warrior Nun(2020-)

Há 3 meses | Ação, Drama, Fantasia, |

De Simon Barry com Alba Baptista, Joaquim de Almeida, Emilio Osorio, Lorena Andrea, Toya Turner, Kristina Tonteri-Young, Olivia Delcán, Thekla Reuten e Tristán Ulloa.


Warrior Nun, série criada por Simon Barry e baseada na banda desenhada Warrior Nun Areala de Ben Dunn, estreou no passado dia 2 de julho deste ano, com uma maratona que promete reviravoltas. Esta produção conta com dois atores portugueses, com a jovem Alba Baptista como protagonista e Joaquim de Almeida como Cardeal Duretti.

A trama retrata a história de Ava (Alba Baptista), uma jovem de 19 anos tetraplégica que acaba por morrer, e, por acaso, é ressuscitada ao servir de esconderijo, perante o perigo, para o halo de um anjo. O halo à Ordem da Espada Cruciforme, que é atribuído a freiras guerreiras. A partir daí a jovem tenta perceber o que está a acontecer com ela e com aqueles que a perseguem, num duelo entre ciência e religião, e ao mesmo tempo tenta recuperar a sua juventude e aproveitar, sendo que o halo lhe deu a possibilidade de andar.

Para quem não conhece a banda desenhada, tenho de admitir que o título pode soar estranho. Uma freira guerreira? Até parece um tipo de contradição, mas se pensarmos bem já muitos combateram em nome de Cristo, o que acaba por dar bastante sentido ao que vemos e a série pode até surpreende-lo pela positiva.

Esta produção acaba por ter um grande potencial em termos de ação, no entanto, envolve-se demasiado no estilo teen, perdendo muito tempo na construção da personagem. É compreensível por um lado, pois Ava esteve a vida toda numa cama, mas, por outro lado, metade da série acaba por andar à volta disso e esse pode ser um ponto mais chato. Nessa fase são explorados elementos e personagens que não adicionaram muito à série, tendo ainda um romance e uma busca de autoconhecimento claramente forçados.  O tema principal, o mais interessante apenas se encontra no final da série, com ação e um desenrolar acelerado da narrativa.

A comédia é algo que está presente maioritariamente na protagonista, jovem e engraçada, papel que assenta como uma luva na atriz portuguesa Alba Baptista. A atriz consegue representar exatamente o que esperamos de Ava, à medida que vamos avançando na série. Mesmo com isto tenho a dizer que o meu sentimento em relação à protagonista foi estranho, o que nada tem a ver com a atriz, mas com a construção da personagem, como disse anteriormente, com uma predominante rebeldia de adolescente que se torna cansativa.

Quanto ao restante elenco, este consegue alcançar as expetativas, com boas atuações em modo geral, deixando em aberto o passado de várias personagens, que nos deixa curiosos quanto à sua exploração em temporadas futuras.

Quanto a aspetos técnicos, a imagem explora bem os belos cenários espanhóis, com um tom mais sépia e sombrio, o que não acontece tão bem com os cenários do vaticano, mas numa questão de veracidade e não de captação. Já quanto à trilha sonora, existe uma mistura entre a música sacro, da igreja, e uma cultura mais pop, que acaba por corresponder à narrativa da série, com uma protagonista jovem que está familiarizada com tal cultura, pois mesmo com os seus problemas assistiu a muita televisão a vida toda.

Warrior Nun tem assim uma narrativa com potencial, não com tanta ação como se poderá esperar, no entanto, o enredo tem reviravoltas interessantes e seria um crime não renovar esta série para segunda temporada com o final que lhe assiste.


Rafaela Boita
Outros críticos:
Nenhum autor votou nesta crítica.