Inscreve-te e tem vantagens!

White Lines - 1ª Temporada(2020)

Há 2 meses | Drama, Mistério, |

de Álex Pina com Laura Haddock, Nuno Lopes, Marta Milans, Daniel Mays e Tom Rhys Harries


Por detrás de uma série tão grande como La Casa de Papel (2017-), está um homem que criou algo que rapidamente se tornou icónico, tendo sido uma das séries mais vistas de sempre da Netflix. Com a fasquia tão elevada, os olhos estão postos nos seus novos projetos. E eis que surge White Lines, a nova aposta de Álex Pina, estando também nos tops da distribuidora em vários países.

Zoe (Laura Haddock), mãe e bibliotecária de Manchester, é chamada a Almeria para fazer reconhecimento do corpo do seu irmão, Axel, que desapareceu há 20 anos. Durante essa viagem, Zoe decide ir para Ibiza onde começa a investigar a morte do seu irmão.

White Lines transborda drama, música, drogas, sexo e um pouco de bom humor. Zoe entra num ambiente desconhecido e acaba por viver dentro daquela bolha caótica que é Ibiza. A um passo lento vai desconstruindo a ideia que tem do seu irmão e, ao mesmo tempo, descobre-se. Sem limites, sem peso na consciência (momentâneo).

A leveza com que se tocou nos assuntos mais tabus foi bem conseguida, graças aos momentos de comédia que os procediam. Como se a loucura de Ibiza se tivesse tornado mais soft graças a esse aspeto. Como por exemplo, a certo ponto temos Marcus (Daniel Mays) a arrastar uma boia pelo jardim, deixando um rasto de cocaína de onde os cães vão cheirar tornando-os completamente hiperativos.

 Álex Pina apostou numa estrutura que, honestamente, acabou por se tornar saturante. A quantidade de throwbacks em cada episódio chegou a ser exaustiva. Em muitos momentos, eram facilmente evitáveis. E, a quantidade de personagens existentes não permitiu que houvesse um desenvolvimento das mesmas. A certo ponto, havia muita coisa a acontecer em simultâneo, muitos arcos que precisavam de ter uma resposta. E, de isto tudo, muitas vezes acabamos por nos esquecer do foco principal: descobrir o que aconteceu no dia da morte de Axel. O verdadeiro motivo daquela viagem.

Para o nosso orgulho nacional, o elenco desta série conta com 3 portugueses: Nuno Lopes que interpreta Boxer (ou Duarte Silva, como queiram), um segurança de discotecas, uma pessoa muito próxima da família Calafat e que, normalmente, é chamada para resolver problemas. Paulo Pires torna-se George, um irlandês bastante ocupado com os seus negócios e com uma personalidade bastante estranha e, também Rafael Morais que interpretou a versão mais nova de Boxer. Com toda a certeza podemos afirmar que Nuno Lopes foi o melhor ator deste elenco todo. Recorreram muito à sua personagem para momentos de comic relief, para dar mais ação a um certo segmento e também para dar outra intimidade às cenas. A química que Nuno Lopes tem com Laura Haddock à frente das câmaras é incrível. Mesmo sabendo que o que estava a acontecer era errado, não havia como não torcer por eles.

Uma série que, honestamente, não é nada de especial e está longe do patamar de La Casa de Papel. Um enredo um tanto básico com um fim bastante frustrante. Uma amostra do que é Ibiza, com o seu quê de irrealismo. Muitos assassinatos sem qualquer pesar na consciência das pessoas, fazendo parecer que é algo normal onde as consequências são quase nulas. Em contrapartida, quero voltar a realçar o excelente trabalho que Nuno Lopes teve em carregar esta série às costas. Não sendo de todo um ator desconhecido aos olhos dos portugueses, deu à série o seu melhor e em nenhum momento falhou.


Raquel Lopes
Outros críticos:
Nenhum autor votou nesta crítica.