Inscreve-te e tem vantagens!

The Lovebirds(2020)

Há um mês | Ação, Comédia, Crime, | 1h26min

De Michael Showalter, com Issa Rae, Kumail Nanjiani, Paul Sparks e Anna Camp

Três anos depois da estreia da aclamada comédia romântica The Big Sick (2017), Michael Showalter regressa ao papel de realizador com The Lovebirds. Agora, o romance e o humor são acompanhados com uma boa dose de mistério, ainda que continuem a ser liderados por Kumail Nanjiani, que desta vez partilha o protagonismo com Issa Rae (The Photograph, 2020).

Esta noite de aventura começa quando um casal, Jibran (Kumail Nanjiani) e Leilani (Issa Rae), são não-intencionalmente envolvidos num assassinato pouco depois de acabarem o próprio namoro. Para tentarem ilibar os seus nomes, decidem tentar encontrar o verdadeiro culpado, que intitula de Moustache (Paul Sparks), enquanto, ao mesmo tempo, tentam por resolver a relação.

A premissa não é exatamente original e, no caso mais recente, relembra a fórmula básica de Game Night (2018) com uns toques diferentes. Contudo, isto não é necessariamente mau. É um formato que serve o puro propósito do entretenimento e, felizmente, não tenta chegar mais além e ser algo que simplesmente não é.

A dupla principal é o mais aliciante desta obra e muito provavelmente a razão central de muitos sequer se darem ao trabalho de verem The Lovebirds. E de facto, Kumail Nanjiani e Issa Rae não desiludem, mesmo que não sejam particularmente convincentes enquanto casal, uma vez que claramente trabalham bem juntos. O seu diálogo inteligente e engraçado parece espontâneo e é nestes momentos que o filme brilha mais, ao contrário o que possa ser considerado as cenas tradicionalmente humorosas.

Aliás, é nesse ponto que a obra falha mais. Enquanto arrasa alguns pontos a nível de piadas particulares, as que têm o ar mais planeado acabam por cair ao lado com outros pontos da narrativa. Cria uma situação interessante, na qual podemos não desgostar especialmente da obra enquanto a estamos a ver, mas que quando terminamos percebemos que a soma das suas partes não amonta a nada substancial. Há cenas que em teoria são engraçadas, mas que na prática não se tornam muito aliciantes.

Adicionalmente, todo o ponto do mistério tem um desenlace que é impossível não desiludir. Apesar do tom da obra, não há nenhuma revelação que seja grande o suficiente para fazer sentir com que esse arco narrativo esteja concluído. Portanto, involuntariamente chegamos ao fim a pensar “Ah, é só isto?”.

Mesmo com todas estas falhas, continuamos a não poder tirar o maior elemento positivo de The Lovebirds, que passa pela tão fácil visualização da obra. Não diz nada de novo, mas também não precisa, uma vez que nunca larga a nossa atenção. Com uma realização que dita o ritmo rápido, é o filme perfeito para uma noite calma ou para quem precise de desanuviar. Por isso, mesmo que perfeitamente esquecível, não podia deixar de recomendar a quem está disposto a aceitá-lo pelo que é e nada mais.


Margarida Nabais
Outros críticos:
Nenhum autor votou nesta crítica.